UFAM conquista a 2ª edição do Prêmio Empreendedorismo Sustentável

Em outubro de 2015 o Programa Amazônia 2020 iniciou as inscrições para a 2ª edição do Prêmio Empreendedorismo Sustentável.

O Santander Universidades e o Programa UniSol buscavam ideias empreendedoras com ênfase na geração de negócios, na aplicabilidade de economia reversa e nos benefícios para a sociedade do entorno.

A 2ª edição do Prêmio Empreendedorismo Sustentável premiou os três melhores projetos dos estudantes de graduação e pós-graduação de nove universidades federais da região Norte do Brasil. Dos 163 inscritos nesta edição, 17 finalistas chamaram a atenção da banca examinadora, formada por representantes do Santander e do Programa UniSol. Os grandes vencedores da edição foram anunciados na quinta-feira, dia 17 de março, em cerimônia realizada na Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém, e vão receber R$ 50 mil, R$ 30 mil e R$ 20 mil, conforme a colocação.

Conheça mais sobre cada projeto:

1º lugar: R$ 50 mil
Diego Ken Osoegawa Universidade Federal do Amazonas (UFAM)
Projeto – NUYA’RLITUA: a fibra do coração
Professor orientador – Ivani Ferreira de Faria

Sobre o projeto: Ao longo da história, a piaçava sempre foi um importante recurso do extrativismo no Alto Rio Negro. Contudo, as cadeias produtivas do extrativismo sempre se caracterizaram pela intensa exploração dos extrativistas e por relações de trabalho de escravidão e semi-escravidão, por endividamento e exploração pelos atravessadores. Este projeto foca no protagonismo indígena e no seu empoderamento, a partir da redução da influência e dependência dos intermediários. O objetivo é criar uma maneira efetiva de geração de renda a partir de um empreendimento indígena sustentável.

Serão criados processos educativos e rede de descarte adequado de óleo lubrificante a partir da estruturação da logística reversa dos insumos da cadeia produtiva da piaçava. O Óleo lubrificante é extensivamente utilizado para locomoção por motores tipo “rabeta” no dia adia das comunidades e também para o deslocamento até alguns piaçabais. O foco será reconhecer não somente o seu valor de uso e beleza, mas também o valor imaterial agregado a esses produtos. Um valor que também é cultural, pois conserva a biodiversidade, valoriza a floresta em pé e a manutenção de seus serviços ecossistêmicos.

2º lugar: R$ 30 mil
Anna Eliza Maciel de Faria Mota Oliveira Universidade Federal do Amapá (UNIFAP)
Projeto – Produção de nanoemulsões inseticidas a base de óleos de sucupira-branca no estado do Amapá
Professor orientador –  José Carlos Tavares Carvalho

Sobre o projeto: Utilizar recursos de origem ambiental em larga escala causa impacto ambiental. Por isso, é um desafio criar produtos que possam ser gerados por meio de uma estratégia sustentável. Este projeto foca na utilização de frutos de sucupira-branca, uma planta que vem sendo muito estudada para fins medicinais. Os frutos dessa árvore podem ser coletados sem a necessidade de derrubada e de uma forma contínua e renovável. Tendo em vista que muitos inseticidas de origem natural são pouco solúveis em água, o desenvolvimento de nanoemulsões é uma alternativa viável para o lançamento de novos produtos para essa aplicação. Assim, espera-se com essa proposta desenvolver nanoemulsões a base de óleo da sucupira permitindo sua aplicação na água para eliminação também de focos de Aedes Aegypti.

3º lugar: R$ 20 mil
Allison Daniel Fernandes Coelho Souza Universidade Federal do Tocantins (UFT)
Projeto – Uso do carvão ativado granular a partir do coco babaçu na remoção de fármacos em estações de tratamento de esgoto

Sobre o projeto: Veio da casca do Coco Babaçu a fonte para a criação do carvão ativado granular (CAG), um elemento capaz de inibir o lançamento de disruptores endócrinos nos corpos hídricos superficiais, evitando desequilíbrios ecológicos e, consequentemente, a entrada de águas contaminadas por medicamentos e hormônios nas redes de abastecimento público. Disruptores endócrinos são substâncias capazes de interferir no sistema endócrino do organismo. Elas podem causar efeitos adversos no desenvolvimento, reprodução, sistema neurológico e imunológico de homens e animais.

Parabéns aos vencedores! E os nossos agradecimentos a todos os inscritos!

Com informações do Santander Universidades / Fotos: Fernanda Soares Ferreira